WhatsApp Image 2021-05-13 at 14.40.09.jpeg

Buenas!

Eu sou Leonardo de Andrade. Sou escritor, pedagogo e professor. Nasci em 1997, e aos quinze anos publiquei meu primeiro livro de forma independente. Desde então, não parei mais de escrever. Atualmente me dedico a pesquisa, escrita e divulgação científica de educação. Sou Mestrando em Educação (UFPEL), e moro em Pelotas com esposa, filho e três gatinhos.

  • Instagram
  • Twitter
  • Preto Ícone YouTube
  • Preto Ícone Blogger
  • LinkedIn
Ficção
Ídolo quebrado

Bêbado, desempregado, desiludido, fumante ocasional e alguns outros adjetivos. Evan Doyle é tudo isso e mais um pouco.

Devastado pela morte da única pessoa que parecia inspirar confiança em sua vida, Evan continua perseguindo um sonho que lhe parece impossível à primeira vista: ser escritor. Escreve sem parar em sua pequena máquina na casa deixada pelo pai. As palavras lhe sucumbem à cabeça e a imaginação flui em textos que talvez não sejam tão apreciados quanto ele gostaria, e nada em sua vida parece dar certo. Nunca irá prosperar. Andando pelos becos escuros enquanto sua única jaqueta cheira a vômito, nicotina e uísque, e quando as esperanças parecem todas mortas, Evan conhece Sr. Morgan. Um excêntrico milionário, colecionador de artes, conhecedor de vinhos, completo enigma que aparenta saber mais sobre Evan do que ele mesmo.

Morgan decide transformar completamente a vida do rapaz.

Morgan introduz na vida de Evan pessoas em tanta necessidade de algo importante quanto ele. Evan conhece novamente o amor de muitas formas, de uma simples amizade até o caloroso abraço de uma criança. No entanto, o escritor tem muitas questões em mente sobre sua própria existência e fatores de sua vida.

Quem é Morgan? Por que ele o ajuda sem pedir nada em troca? E, acima de tudo, o que ele é? 

Sinopse
Idolo_3D.png
1623953651.png
Mundos Partidos

Na pequena cidadezinha de Darby, perto da praia, vivem pessoas bem estranhas. Tem um cara que viu aliens. Uma dona de bar zangada. Um garoto que vive caçandomoscas, e sua mãe, dona Ana, conhecida e amiga de todos.

O que isso tem em comum? Tudo está ligado a John Brooks.

Mas o sujeito está mortinho agora, e era um fanfarrão, sabe? Do tipo que consegue fazer amizades fácil, e todo mundo gosta, mas não consegue dar um jeito na própria vida. Mas essa história não é sobre John, e sim, seu filho, Oliver. Oliver é um babaca, e agora descobriu que está morrendo. Darby e John guardam aresposta.

É hora de voltar para casa e ver os fantasmas do passado. Oliver precisa encontrar o livro da imortalidade e lidar com o fantasma de seu pai.

Sinopse
MundosP_3D.png
1623953690.png
Verde Escuro
Verde_3D.png
1623953725.png
Sinopse

A especialidade de Murphy sempre foi sacanear as pessoas, roubar de ricaços, falsificar pinturas valiosas, roubar chaves de cofres e coisa do tipo, sabe? Mas nem sempre foi assim. Um dia, Murphy foi apenas um menino do orfanato, sujo, correndo pelas ruas com um sapato velho e roubando frutas nas feiras de rua. Mas todo dia tinha aquela coisa, aquele desejo de ser algo a mais. Estava sempre olhando aqueles ‘caras bacanas’, com carros legais e suas namoradas
bonitas.

Mas, no fundo, nunca passou de um ladrão.​O pior de tudo: era um bom ladrão. Quer dizer, não tão bom assim, porque foi parar no xilindró, e agora revivia todos os seus dias, de novo e de novo.

Tinha vinte anos a cumprir.

Filósofo Suicida
Filósofo_3D.png
1623953614.png
Sinopse

Quando conheci Lars Justino, o sujeito tinha pontinhas brancas nos cabelos e uns fiapos quase invisiveis delatando a loucura em sua pobre alma nada sonhadora. De fato, era uma figura bem típica dos covis de malucos e covardes e mais malucos. Porém, não era um covarde, nem maluco (tudo bem, um pouquinho), pouco corajoso, mas bravo igual leão. Não contei a parte mais estranha: era imortal.

Lars tinha vivido muitos séculos, andado por muitas terras, conhecido gente mais estranha, e falava todas as línguas, menos inglês. Conheci esse sujeito há longos 17 anos, quando eu mesmo não tinha bigodes brancas e não estava cego de um olho. Disse-me estar vivo há exatos 2000 anos, cinco meses, quatro dias, três horas, dois minutos e um segundo. Não acreditei. Você acreditaria?

O conheci por puro acaso. Tudo porque um dia, sem mais nem menos, Lars Justino ficou cansado de ser imortal e embarcou em busca da morte.

Senhor Morte
SM_3D.png
1623953137.png
Sinopse

Aquele foi o último pôr do sol que vi.

Caminhei pelas ruas de pedra da antiga cidadela que seguia o movimento e o fluxo dos carros em Carcova. Gastei tantas horas naquela cidade tentando descobrir quem sou, e no fim, bastou um pôr do sol para saber que eu não estava destinado a nada senão vagar. Parei na velha Praça Dom Zué enquanto a catedral de tijolos erguia-se alto, como se estivesse tentando escalar aquelas nuvens rosadas no final do céu e, com as mãos trêmulas, coloquei um cigarro em meus lábios rachados. Senti a brisa final se aproximando.

Era minha hora. Eu iria morrer.

Minhas mãos, machucadas por aquela busca inevitável de todos os homens, ergueram-se para acender o cigarro. As labaredas do isqueiro balançaram sinuosas na imensidão da humanidade. Tossi feito um condenado. Porque estava realmente condenado. Senti o gosto metálico de sangue em minha boca e cuspi aquele liquido escarlate. Limpei os lábios, deixando gotas nas costas de minhas mãos. Meu pulmão não aguentava mais.

Eu iria morrer.

   Não ficção
Sala de Aula
1652209756.png
TABLET.png
Sinopse

A sala de aula é espaço vivo. É lugar de dinâmica, de interação humana, do contato de gente pra gente que faz educação. Precisa ser inúmeras vezes pensada, repensada e refletida, porque forma as pessoas das maneiras mais distintas possível. A educação nos perpassa, nos molda. Em "Sala de Aula", o jovem educador, pedagogo e professor de História, Leonardo de Andrade, reflete sobre as diferentes questões que atravessam a prática educacional dos professores, desde a teoria até a prática, e teoriza sobre diferentes formas de ver e fazer educação.  O autor traz indagações sobre a educação atual, a formação de professores e reflexões sobre sua própria prática na sala de aula.